Os melhores conteúdos para a gestão empresarial

Auditoria, Capacitação, Finanças & Economia, Gestão Corporativa, Gestão Estratégica, Mercado de Capitais, Processos Corporativos, T.I - Tecnologia da Informação

Aplicação de Recursos em Empresas Startup de Tecnologia e de Serviços

Ministrado por Ashley Charles Jenner

1º e 2 de junho de 2017

Seguindo forte tendência mundial, diversas empresas estrangeiras e nacionais tem incluído em seus planos no Brasil a realização de investimentos em startups de tecnologia e serviços. Além de investidores internacionais, um número crescente de fundos de capital de risco brasileiros tem sido criados com este propósito.

O motor desta proliferação é a expansão exponencial das aplicações de tecnologia e serviços e o surgimento de uma classe de empreendedores de todas as idades dispostos a levar adiante os seus planos de negócios.

Na maioria dos casos estes empresários precisam de captação para ir adiante. Há um forte crescimento do grupo de investidores chamados de “Anjo”, que inclui fundos estratégicos. Hoje, por sua vez, existe uma base bastante diversificada para o desenvolvimento de APPS e outras soluções tecnológicas por empresas Startup de tecnologia e de serviços. Muitos desta nova geração de empresários aprenderam a se relacionar com os investidores abertos a uma nova ideia, porem com critérios próprios.

Participe deste Evento de Capacitação InteNews que visa orientar tanto investidores quanto empreendedores na aplicação e captação de recursos para empresas startup. Veja como elaborar as melhores estratégias na aquisição de alvos e a obtenção de recursos para prosseguir com o projeto.

INSTRUTOR

Ashley Charles Jenner

Com 46 anos de experiência no mercado de capitais e financeiro brasileiro, americano e europeu, é Diretor de Investimentos da Astra Investimentos Ltda, Gestora Independente de Recursos. Também, Presidente da Barham Financial Services, empresa especializada em preparar as empresas para receber investimentos de Private Equity. Formado em Economia pela Universidade de Londres e em Finanças pelo Instituto Britânico de Banqueiros. Foi executivo principal de dois bancos brasileiros de capital estrangeiro (Multibanco de Investimentos – do Bank of America e Banco Internacional – do Bank of America).

PROGRAMA

Módulo I – A Fase da Inspiração (Pré-startup)

  • O ciclo financeiro da Startup
  • O modelo do negocio. A diferença entre uma boa idéia e uma inspiração.
  • Originalidade/diferenciação
  • Estado da Tecnologia e o investimento até o momento
  • Time de empreendedores e as pessoas
  • Material escrito

Módulo II – A Captação do Angel Capital para iniciar a startup

  • Leis e Regulamentos de captação de anjos (especialmente LC 155/2016)
  • Construindo elos com investidor e anjo potencial.  Quem são os anjos?
  • Porcentagem e Valuation da pré-startup e diluição posterior do Angel
  • Problema do Burn-Rate (morrendo na praia – a armadilha da captação insuficiente)
  • Vender fortemente o conceito versus iludir o investidor alvo p.e. ref. clientes, outros investidores etc.
  • Pode e deve usar ações ou cotas como moeda corrente (pagar advogados, contadores)?
  • Canal de comunicação pós- investimentos com os Angels

Módulo III – Tipos de captação e uma discussão sobre cada um (além de Angel Capital)

  •  Quem – Pelo menos sete grupos de investidor organizado/profissional em startup serão discutidos
  • Categoria
    • Básico – Capital de semente
    • Primeira Rodada – a otimização, a empresa já faturando e os investidores estão mais interessados
    • Segunda Rodada – a consolidação – os mesmos investidores querem mais e vem novos também.
    • Terceira Rodada – criando escala –  a adolescente já é conhecida e os investidores fazem fila

Módulo IV – Preparando-se para a captação do mercado de investidores profissionais

  • As preocupações do investidor profissional (Private Equity PE e Capital de Risco VC, etc)
  • Obtendo acesso direto as pessoas nos investidores PE e VC (fora o contato@fundo.com.br)
  • Skin in the game – “Quero ver seu dinheiro ardendo ao lado do meu”
  • Lidando com a resistência do fundo contra ser o primeiro a investir no capital de semente
  • A importância de um pipeline de novos produtos e as alianças estratégicas de verdade.
  • Porque as Fintechs atraem investidores.
  • M-comércio e o impactos dos apps na captação.
  • Lean startups (startups magros) impressionam?
  • Time é sustentável sob pressão e o gênio tecnológico é também um bom gestor?

Módulo V – As Projeções Financeiras

  • Quantos anos projetados (e quantos devem ser mensais) e com modelagem ou elementar?
  • Projeções em termos nominais ou reais: em reais ou moeda estrangeira
  • Como desenvolver as premissas sem histórico e o limite entre projeções ambiciosas e irrealistas
  • O “hockey stick?” – qual o prazo entre o prejuízo inicial e o crescimento exponencial com lucro
  • Até quando projetar grandes investimentos em desenvolvimento, marketing e outros
  • Projeção do headcount e seus custos

Módulo VI – Projetando as Demonstrações Financeiras

  •  Calculando a receita bruta pelo método quantia x preço quando não há histórico?
  • Soluções pela confusão nas métricas e múltiplos alternando receitas brutas com receitas líquidas
  • O desafio da classificação de despesas entre fixas e variáveis e o impacto sobre o CPV
  • Os grandes custos de desenvolvimento que vão para as despesas operacionais.
  • Despesas de marketing são custos ou investimentos (criação da marca)?
  • Regime fiscal – é melhor adotar lucro real com prejuízo fiscal ou usar lucro presumido?
  • Empresas de tecnologia também tem contas de capital de giro
  • Tratamento do ágio recebido
  • A projeção do fluxo de caixa e o burn rate
  • O Demonstrativo de Mutações do Patrimônio Líquido na decisão de pagar dividendos

Módulo VII – O Business Plan BP

  •  Porque preparar um BP? Word, Excel ou PowerPoint? Se Excel, com formulas?
  • papel crucial do sumario executivo na decisão do VC de continuar a ler o restante do BP
  • Compatibilidade da estratégia do produto com os argumentos sobre a sua aceitação pelo público
  • Dando substancia à análise de mercado e onde encontrar informações sobre a concorrência
  • Otimização do orçamento de marketing para empresas SaaS (Software as a Service) e SaaP (Software as a Product) e a apresentação do plano de marketing no BP
  • Razões pela preferência pelo marketing digital
  • Serão examinados em detalhes partes de um trabalho recente de startup mostrando como as premissas explicam as projeções financeiras dentro do BP para que o investidor possa fazer seu próprio valuation
  • Cálculos do CAC (Custo de Aquisição de Cliente) e o LTV (Lifetime Value)
  • As necessidades de captação e o uso dos recursos na Startup

Módulo VIII – Valuation de Startups

  • Fluxo de Caixa Descontado para startups e o valor terminal. Um caso recente será examinado
  • Valuation relativo (Múltiplos). Quais as empresas comparáveis na tecnologia e serviços?
  • Como usar múltiplos estrangeiros no Brasil.
  • conceito do pre-money e post-money valuation usado no VC e PE
  • método de Venture Capital valuation, simplificado e outro com planilha em Excel.
  • MOIC – Multiple of invested capital
  • Métodos Berkus e Scorecard

Módulo IX – A negociação e estruturação com investidores do startup

  • Será fornecida uma lista de pelo menos 28 fundos ativos na America Latina, inclusive no Brasil,  em startups e outros de tecnologia e serviços e um exame da estratégia articulada por um dos fundos recém-formados
  • A lista recente de informações solicitado por um fundo importante antes de aceitar uma reunião
  • O que os VC´s procuram e o que os fundadores procuram
  • Earnout e o desembolso da captação em parcelas em vez de adiantado na frente
  • Tratamento fiscal do ágio recebido por uma startup que é diferente entre uma LTDA e uma S.A
  • Tratamento fiscal quando o investimento é feito via empréstimo do VC.
  • O que fazer quando o VC oferece um valor abaixo da necessidade
  • Os principais contratos e acordos. O que aceitar e não aceitar no acordo de acionistas.